14.5.05

Não apague a luz

Não apague a luz,
que eu quero ver o teu riso,
que eu quero ver o teu gozo.
Quero ouvir os segredos nas tuas canções,
aprender teus caminhos
(contemplar as tuas alucinações
e as minhas).
Eu quero conhecer o teu corpo,
descobrir teus desejos,
explorar os teus sonhos, e medos
e sentir o teu cheiro,
mas primeiro, te beijar...
E quero
que você me morda o pescoço,
me afague os cabelos,
e me agarre a cintura.
E quando cair a noite escura,
me deixa dormir no teu peito,
me deixa ficar desse jeito
que eu quero te abraçar com doçura...
Ao nascer do dia
adorarei tua figura.
Quando os primeiros raios de sol
acenderem o dia no quarto
eu quero te amar novamente.
Eu, que te conheci na madrugada,
serei a amiga apaixonada
quando raiar a aurora.
E por isso te peço agora,
querido, sem pressa,
não apague a luz.
Há toda um vida
na noite que começa.

2 comments:

Gabi said...

Eeeeeeeeeee!!!! Tati feliz, poema belo, luzes acesas... Tanta luz, não é? Que lindo!
Beijo, querida!

Quel said...

Finalmente toda a urucubaca acabou, né? Não aguentava mais te ver triste. Até as vibrações no nosso apto estão melhores, vc percebeu?
Te adoro!!!
Beijinhos