23.5.05

Congresso Internacional do Medo

"Provisoriamente não cantaremos o amor
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.
Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços,
não cantaremos o ódio porque este não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte,
depois morreremos de medo
e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas."

(Carlos Drummond de Andrade)

É isso aí. Hoje postando pra celebrar o medo e a covardia. A covardia de todo mundo, a sua, a dele, e a minha também. É pra homenagear a falta de coragem de quem não se aproxima, não se arrisca, e a falta de coragem de quem fica assistindo a covardia dos outros e não se atreve a fazer nada a respeito. E quero brindar a toda a covardia de quem pensa e não diz o que pensa, de quem sente e não enfrenta o que sente. Toda a falta de hombridade de quem não se examina e nem sabe o que tem dentro; e a pior, a de quem sabe e não admite.

Viva todo o medo do outro, e todo o medo de si!

3 comments:

Gabriel said...

Despeja com tal fúria esse medo e a todos estende tal ato. Seria apenas uma forma de não sentir-se só, visto que outros também da mesma forma o fazem? Ou realmente o medo de não que há e por si mesmo causa tanto, mesmo que este não seja de ti provido, mas que a tem como final... Rs... quanta papagaiada! Mas que é bem interessante o que escreveu, isso é!!! Realmente, ter algo a dizer e nunca faze-lo... é horrivel...

Gabi said...

Não esqueçamos, Tati, da covardia daqueles que têm apenas uma opção, e mesmo assim preferem a estagnação ao risco de escolhê-la...
É incrível como, sendo todos um só, ainda tememos tanto... Ainda somos tão incompletos! E somos covardes ao ponto de querer que os outros saibam do que pensamos, do que queremos, do que sentimos, sem expressar tudo isso...
E ler este seu post ouvindo "Clarisse" do Legião Urbana, ah!, não é nada saudável rss
Dá pra entender a covardia daqueles que deixam a vida... Em nome do nada... Dá mais medo do ser que do não ser... Talvez essa seja a real missão de todo ser humano: enfrentar o desafio de ser.
Beijo, querida!
Um ótimo fim de semana pra vc!

qualquer calmaria said...

Boa noite,
Através do teu comentário no blog "O chato", cheguei até seu blog. Me deparo com esse post e tanto ele me disse que eu fiquei sem palavras.
Não sei o que acontece com a maioria das pessoas. Medo. Só pode ser. Aliás, é o medo de SER.
Esse teu post vale uma boa reflexão.
Beijo,
Simone