27.9.05

Quando as nossas inseguranças são tantas
fica difícil reconhecer a coisa certa
a se fazer. São possibilidades inúmeras:
uma multidão de portas abertas.
Construímos planos e estratégias - castelos
baseados na forma dura, na linha reta.
Acreditamos que a razão
Vai nos mostrar a saída correta.
Mas a vida, para além de qualquer plano
e à revelia de nossas metas
Se constrói por si mesma
E no final, sem saber, a gente acerta.

(Dedico este poema à Raquelzinha, minha coabitante, que nesse momento é alguém tentando fazer a coisa certa)

4 comments:

Gabriel FLY said...

Sinceramente, a vida é um grande mistério. Essas "portas" aparecem a todo momento, porém sem nunca saber se se será a ideal. Frente a isso, só posso citar nosso poetinha e dizer que "a vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida".

Quel said...

Pois é miga, embora vc nao esteja sendo imparcial, obrigada pela força.
Só me faz um favor? Me lembre de nao te dar bola quando vc ficar botando pilha, ta? hahahahahahahaha
Brincandeira.
Valeu pelo final de semana, no minimo, surpreendente e torce por mim.
Te adoro!!!!!!
Beijokas

karina said...

E ai mulher, arrasou e ainda colocou umas das regras básicas...rs
Tudo vale a pena....
o fracasso é ilusão, não existe, o que existe é experiência.
beijos

Afonso said...

Com uma multidão de portas abertas às vezes fica difícil saber qual é a coisa certa a ser feita. E não sei se a vida sempre acerta. bjs